terça-feira, outubro 18, 2005

Mitos e verdades sobre o referendo

Custou, mas finalmente eu me decidi. Não que eu seja um procrastinador, é que decisões importantes merecem as devidas reflexões. Vou tentar reproduzir aqui os principais argumentos do SIM e do NÃO.

OS ARGUMENTOS DO SIM

"Arma é morte, eu sou favor da vida, portanto voto SIM."

OK, eu vou tentar não ser muito duro com os fugitivos do jardim de infância. Vamos esclarecer uma coisa: esse referendo NÃO É para banir as armas do planeta. Se fosse eu até votaria no SIM, mas não é. A pergunta é: "Você é a favor da proibição do comércio de armas de fogo e munição no território nacional?". Ou seja: quem já tem arma VAI CONTINUAR TENDO ARMA. Embora a lei seja conhecida como "Estatuto do desarmamento", ela não vai desarmar ninguém. Independente do resultado, após o referendo existirá o mesmo número de armas legais no país.

"O SIM vai diminuir o número de acidentes domésticos e crimes passionais."

Novamente - essa lei não vai desarmar ninguém. E se as pessoas vão continuar tendo armas, baseado em quê alguém pode achar que o número de acidentes vai diminuir? Vc pode até argumentar que "não vai aumentar", mas isso aí eu vou comentar daqui a pouco.

"Muitas das armas em posse dos bandidos são de origem legal, se o comércio for proibido isso vai dificultar a vida deles."

Essa é uma meia-verdade. Realmente, muitas são armas legais - mas a imensa maioria proveniente de firmas de segurança privada (que mesmo com a vitória do SIM continuariam podendo comprar armas). O percentual relativo à armas provenientes da chamada "população ordeira" - segundo a Época, que é da Globo, e está apoiando ostensivamente o SIM - é de 0,17%. Logo, não é esse o problema.

OS ARGUMENTOS DO NÃO

"A violência vai aumentar muito mais se os bandidos souberem que ninguém tem armas."

Talvez fosse verdade - só que se o SIM ganhar, isso NÃO QUER DIZER que vc está pendurando uma plaquinha "AQUI NINGUÉM TEM ARMA" na porta da sua casa, simplesmente pq vc pode ter adquirido sua arma antes do referendo.

"E os policiais, quando fora do trabalho, vão ter que andar desarmados? E a prática esportiva?"

Isso aí é simplesmente mentira. A lei prevê exceções para policiais, esportistas (com a devida burocracia), pessoas que dependem de armas para subsistência ou moram em áreas remotas, e mais "n" casos.

"Mas é um direito meu escolher se devo comprar uma arma ou não!!!"

Teoricamente sim, mas o fato é que o Estado sempre interviu nos nossos direitos desde os sinais de trânsito até estipular a maioridade. Isso não seria argumento.

"Os bandidos usam fuzis que já tem a sua comercialização proibida, acabar com o comércio não adianta."

Você entendeu errado: ninguém está perguntando qual a melhor maneira de acabar com a violência. Vc pode até questionar se A PERGUNTA QUE ESTÁ SENDO FEITA É A CORRETA OU NÃO, mas isso não muda o fato de que é essa pergunta que nos cabe responder. Se vai haver ou não comércio de armas de fogo NÃO TEM NADA A VER COM O FATO DE BANDIDOS USAREM ARMAS EXCLUSIVAS DAS FORÇAS ARMADAS. NÃO É ISSO QUE ESTÁ SENDO PERGUNTADO. "Deve haver comércio de armas: sim ou não?" - essa é a pergunta.

"Com a proibição, o comércio ilegal vai aumentar."

Ok, agora eu me rendo. Confesso que esse argumento decidiu o meu voto. O fato é que ninguém é tão ingênuo para acreditar que caso o comércio seja proibido, os pretensos compradores de armas SIMPLESMENTE NÃO VÃO COMPRAR ARMAS PQ É PROIBIDO. Vão comprar sim, mas no mercado "paralelo". E aí estaremos cometendo o mesmo erro que foi cometido quando um dia proibiram as drogas no nosso país - entregar o ouro aos bandidos. A palavra chave aí é "LEGAL". Nas entrelinhas, a pergunta é "Você é a favor da probição do comércio LEGAL de armas de fogo e munição?". Muita gente mudaria de opinião se notasse que a questão não é se a população quer acabar com o comércio - isso é utopia, e nós estamos construindo uma lei para um mundo REAL, não utópico - é se a população prefere o comércio legal ou o ilegal. Aí fica meio óbvia a resposta, né? E pra quem achava que talvez o número de acidentes "não fosse aumentar" se as armas fossem proibidas, não se esqueçam que a burocracia é tanta pra se comprar uma arma legal hj em dia que É BEM MAIS FÁCIL comprar no mercado negro. Agora imagina só se a comercialização for proibida...

Por favor, sem dogmas nos comentários - o debate é sempre a melhor saída para o consenso.