domingo, dezembro 19, 2004

Recado pra galera das antigas

Cês lembram do Joey? Pois é, o Joey é um cara de quem eu conheci a "fama" antes da pessoa. Explico: o pessoal "mais radical" costumava falar muito do Joey por ele ser um cara que curtia sons que eram considerados "leves demais". Como todo preconceito que se preze, esse tb se provou ser sem fundamento (assim como o "pessoalzinho radical" provou ser composto só de malas, mas deixa isso pra lá...).
Conheci o Joey qdo "já estava na vida real", fazendo faculdade. A gente tinha um amigo em comum, o Paulinho, que tava morando por uns tempos na casa dele, e era lá perto da faculdade. Joey foi um cara que conseguiu desmitificar na minha cabeça aquela idéia de que "todo evangélico é chato" (aliás, o Paulinho tb), pq era um gente finíssima, totalmente roqueiro, daqueles que botam lenço na cabeça e "empinam" a guitarra na hora dos solos, tinha uma banda de hard rock, e como toda pessoa normal, tinha a sua fé tb. Paulinho sempre foi um cara amigão meu, mesmo a gente ficando muitas vezes um bom tempo sem se ver. E nessa época a gente andava um bocado junto.
Vcs devem estar se perguntando: pq essa rasgação de seda toda? Elementar, meus caros leitores. Pela primeira vez eu tive aquela sensação de achar alguém que há muito tempo eu não via no Orkut: o Joey. Aqui, ó. Por sinal, ele agora tá com um blog falando da banda gospel dele. O blog tá mais pra fotolog, já que tem mais fotos que posts propriamente ditos. Mas tá maneiríssimo.
Como eu sempre digo, uma coisa legal dessa viadagem de blog é que acaba por aproximar gente que a vida real achava que tinha separado. Foi assim com o Iba, depois com o Tatan. Parece que o meu xará, o Caô, ainda está em processo de lobotomia pra aprender a ler O Barroso com mais freqüência. O próximo da lista é o Joey (tô treinando pra virar um Hitler digital, hehehe...). Faltava o Paulinho "virar digital" e o Edmárcio dar as caras no micro com mais freqüencia, afinal de contas amizade (ainda que atravé da rede) nunca é demais...